Grupos de trabalho apresentam resultados de discussão sobre os dilemas bioéticos

plenarias grupos 03

Ao todo foram dez grupos de trabalho que discutiram os dilemas bioeticos encontrados na prática assistencial. Foto: Adyr Akira

Na sexta à tarde, dez grupos formados por representantes de dezenas de serviços de saúde de diversos estados do Brasil apresentaram o resultado de suas reflexões e discussões acerca de temas importantes no contexto da bioética e dos cuidados paliativos. Entre os profissionais, a maior parte era de enfermeiros, no entanto, havia pessoas das mais diversas formações.

Os temas apresentados foram alimentação e hidratação no fim da vida; família; pacientes com déficits cognitivos; comissões de bioética; violência; trabalho em equipe; registro (prontuário); síndrome de esgotamento profissional; condições de trabalho e qualidade da assistência; e rede de serviços.

No tema alimentação e hidratação, os profissionais lembraram que é importante que as equipes de saúde considerem o significado social da alimentação – a reunião de pessoas queridas em torno de uma mesa e o afeto que circunda o momento das refeições. Pensando nisso, os profissionais de saúde conseguem entender mais profundamente a resistência das famílias quando a recomendação é retirar uma sonda de um paciente em final de vida porque ela já não traz mais benefícios. Da mesma maneira, o paciente precisa ser ouvido e, sempre que possível, atendido com o alimento que ele tem vontade de ingerir. E, como para qualquer procedimento, também nos recursos para alimentação, é preciso conhecer bem o prognóstico para avaliar se haverá vantagens em adotar meios invasivos para alimentação. Em relação à hidratação, o grupo sugeriu que as equipes considerem o uso de espessante para os pacientes com risco de engasgo ou disfagia.

Em relação ao cuidado com a família dos pacientes, o segundo grupo a se apresentar sugeriu que as equipes de cuidados paliativos dediquem tempo a conhecer a dinâmica familiar e sua biografia, que escutem sempre as expectativas em relação aos cuidados e tratamentos com o familiar doente e que sejam reconhecidas as potencialidades e as limitações de ambos os lados. Um trabalho citado como difícil de ser realizado é o acompanhamento do luto familiar pós-morte – além da dificuldade da equipe em dedicar-se a isso, há também uma pouca aderência das famílias em aceitar esse acompanhamento, conforme relataram profissionais do Hospital Premier, que desenvolve essa atividade pós-morte de seus pacientes.

plenarias grupos 01O terceiro grupo discutiu o atendimento a pacientes com déficit cognitivo, cuja primeira dificuldade é a abordagem. Acolhimento com empatia foi a solução encontrada pelos participantes do debate, incluindo o resgate histórico do paciente, com sua biografia, e estabelecimento de vínculos. Foi ressaltada a importância de a equipe de saúde entender que o paciente e seus familiares, por vezes, estabelecem um vínculo afetivo maior com uma pessoa da equipe e, por isso, esse profissional pode ser o responsável pelo elo que fará a diferença nos cuidados. Acolher com empatia também significa para o profissional entender que o tempo do paciente com déficit cognitivo pode ser diferente do tempo cronológico – compreensão de que em um momento o paciente pode estar bem e, em outro, demonstrando confusão mental.

O grupo que abordou as Comissões de Bioética e a relação dessas no processo de tomada de decisão trouxe, como contribuição principal, que esse tipo de instância seja ainda mais abrangente – uma comissão de bio-psico-sócio-espiritual-ética para tratamento do ser humano em cuidados paliativos.

O tema violência foi tratado de forma lúdica pelo grupo que o apresentou, com encenações de violências pouco óbvias no dia a dia dos cuidados aos pacientes. Como, por exemplo, da equipe de enfermagem que manipula o seu paciente sem olhá-lo, conversando entre si; ou mesmo do filho que não permite que o pai se manifeste em uma consulta médica, concentrando em si mesmo as informações e tirando o direito de expressão do pai. Assim, o grupo concluiu que o desrespeito ao ser humano como alguém com biografia e presença também é uma violência que acontece no âmbito dos cuidados de saúde.

A discussão sobre trabalho em equipe destacou a importância da interdisciplinaridade como essencial para os cuidados do paciente e o investimento a ser feito em comunicação, para que o trabalho flua e os profissionais entendam o ponto de vista um do outro.

O tema registro (documentação e prontuário) foi discutido pelo grupo 7, que destacou a importância de que os profissionais invistam tempo no registro de suas atividades, percepções e conversas com a família no prontuário do paciente, bem como os dados biográficos deste. Destacou-se também a importância na leitura frequente deste documento que traz o histórico do paciente, para que os cuidados aconteçam de forma contínua e eficiente.plenárias grupos 02

As redes de serviço versus a continuidade da assistência foi outro tema que trouxe as dificuldades de um trabalho contínuo em cuidados paliativos na rede de saúde. Foi mostrado como o trabalho é feito de forma descentralizada, sem articulação entre os serviços. A mudança, conforme apresentada pelo grupo, só virá com a união dos profissionais e o investimento em educação e formação de outros.

Sobre síndrome de esgotamento profissional – o burnout – o grupo defendeu a ideia de que a equipe de saúde esteja mais alerta para os sinais do problema em seus colegas, assim como a necessidade de divulgar o tema, inclusive para as equipes de medicina do trabalho.

Por último, foi apresentado o tema “Condições de trabalho e qualidade da assistência”. O grupo concluiu que a estrutura física do local de trabalho tem relação direta com a qualidade da assistência e com as relações interpessoais, influenciando, dessa forma, na humanização.

Todos os grupos, portanto, trouxeram contribuições importantes a respeito de seus temas, e estas serão compiladas e estarão à disposição de todos os participantes do Congresso a fim de que possam usá-las em suas práticas diárias em cuidados paliativos.

Além da abordagem técnica dada a cada um dos temas, todos os grupos reforçaram a importância do apoio e da comunicação entre equipe de saúde, familiares e pacientes, bem como do respeito à história de cada um desses na tomada de decisões.

O médico Davi Braga Junior, do Grupo Mais, foi um dos mediadores de grupo e reforçou que a maior arma para quem atua em cuidados paliativos é a educação. “Precisamos ensinar outros profissionais, informar pacientes e familiares para empoderá-los sobre seus direitos a cuidados. Nosso objetivo é grande, é cuidar do paciente”, afirmou. 

 

Leia mais: 

Bioética para Cuidados Paliativos em hospitais

A sustentabilidade do sistema de saúde

Conhecimento, experiências e comemorações abrem o III Encontro Brasileiro de Serviços de Cuidados Paliativos

 

Assista aos vídeos do III Encontro Brasileiro de Serviços de Cuidados Paliativos: Aqui

Acesse o Facebook do Hospital Premier: www.facebook.com/hospitalpremier 

 

Grupo Mais