Encontro de encerramento da quarta edição do Curso de Formação para músicos atuantes em Hospitais aconteceu neste domingo, no Premier

IMG 1640

Estudantes e parte da equipe de coordenação do IV Curso de Formação para Músicos Atuantes em Hospitais. Foto: Ruam Oliveira / OBORÉ / Hospital Premier

 

Desde o início de maio, uma turma de músicos de diferentes regiões de São Paulo se encontra no Hospital Premier, sempre aos finais de semana, para participar de um projeto de formação que envolve música e saúde. Na tarde de domingo, 17, os integrantes do IV Curso de Formação para Músicos Atuantes em Hospitais e Instituições de Longa Permanência reuniram-se uma vez mais para o encerramento desta edição.

Ao longo deste período, os músicos participaram de aulas teóricas sobre saúde nos Cuidados Paliativos com diferentes profissionais especializados em cuidar de idosos em ambientes hospitalares. O curso também abordou temas como técnicas vocais, construção de repertório, rítmica e história da música popular brasileira. A coordenação pedagógica foi do músico e professor Ivan Vilela.

O que justifica a existência deste tipo de curso, segundo Ivan Vilela, é a solidariedade e a percepção “de que a doação pode ser um grande caminho para o crescimento pessoal”. A música possui, enquanto veículo fluido de emoções, a capacidade de trazer um mínimo de alento às pessoas que muitas vezes já não veem alento em nada”.

O professor destacou também que a maturidade apresentada pela turma foi algo que surpreendeu, inclusive por não existir competição entre os estudantes, o que atrapalha o andamento das aulas.

“Nessa experiência percebi como a música é um instrumento até mesmo de cura, se posso dizer”, conta Camila Milena Silva, participante do curso. Já atuante em um grupo de música nos hospitais da Escola de Música de São Paulo (EMESP), Camila reforçou que este foi um exercício de sensibilidade. “A consciência que temos sobre o que fazemos é o que vai determinar a realidade”. Kim Leal Viola, morador de Lambari, em Minas Gerais, conta que sempre volta para casa com um sentimento de transformação: “Mudou a minha percepção sobre a música”.

O curso é organizado em 108 horas de atividades, divididas em 84 horas de aulas expositivas e práticas e mais 24 horas de estágio supervisionado. 

Saiba mais: www.premierhospital.com.br/musicos

cr grupomais