Estudantes de Medicina e Terapia Ocupacional participam de estágio de Férias no Premier

estágio-de-férias-premier

Estudantes de Medicina e de Terapia Ocupacional posam ao lado do músico Toninho Carrasqueira
Foto: Ruam Oliveira/OBORÉ / Hospital Premier

 

A sexta feira (20) marcou o fim de mais um estágio de férias realizado no Hospital Premier. Ao longo da última semana, cinco estudantes de medicina da Faculdade de Medicina de Itajubá (MG), uma estudante de medicina da Faculdade de Medicina de Taubaté e duas estudantes de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo (USP) participaram da rotina hospitalar do Premier.

O estágio teve também como ênfase tratar da observância nos cuidados paliativos, foco central do Hospital Premier. As estudantes acompanharam as diferentes áreas de tratamento dos pacientes, visitando desde sessões de fisioterapia até atividades de Terapia Ocupacional. Elas também puderam ver de perto os diversos quadros clínicos existentes no Premier, sempre acompanhadas de médicos e enfermeiros do Hospital.

Camila Fernandes de Oliveira, 21 anos, que estuda Terapia Ocupacional na USP apontou que esta experiência é uma oportunidade para que mais estudantes conheçam a área de cuidados paliativos. “É um aprendizado gigantesco, principalmente em relação a conhecer a equipe e o trabalho que fazem, porque na faculdade não temos muito acesso a este lado da profissão, e aqui, por conta desta abertura, a experiência se torna incrível (...) é raro ter uma equipe tão unida e bem estruturada e ter esse contato, aprender um pouquinho de cada coisa, é muito bom”, conta.

Em relação ao cuidado humanizado, muitas destacaram que às vezes é difícil manter este “espírito” depois de sair da faculdade porque nem sempre o ambiente de trabalho dá margem para este tipo de atuação. Com o passar do tempo na Universidade, as estudantes disseram que para elas acontece um “acúmulo de frustração” porque ficam sendo “as poucas sonhadoras” que mantém o interesse na prestação de um cuidado mais humano.

Porém nem todas compartilham da mesma opinião. Algumas delas acreditam que a preocupação em realizar um cuidado mais humanizado tem voltado a crescer, principalmente nos últimos anos de ensino. A estudante de Terapia Ocupacional, Regiane Nicolini de Deus, de 22 anos, apontou que o estágio lhe proporcionou uma mudança na maneira como enxergava os estudantes de medicina. Segundo ela, o contato com as outras colegas de estágio e com o corpo de funcionários do Hospital a fez perceber que “existem pessoas que pensam diferente”.

A Dra. Manuela Salman, médica psiquiatra do Premier apontou que dividir experiências é positivo também para o corpo médico do Hospital. “Eu acho fantástico poder conversar sobre coisas que já vi, contribuir para a formação deles é muito bom”, disse.

Há aproximadamente seis anos o Premier realiza o programa de estágios, sempre duas vezes ao ano – em janeiro e em julho. Esta semana uma nova turma de estagiários inicia processo no Hospital e acompanharão a rotina médica até sexta feira, 27/01.

Grupo Mais